segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Morte a todos os malditos índios urbanos




E O PRÊMIO VAI PARA ZÉ BOKINHA, POR ENVERGONHAR O NOME DA POESIA CONCRETA MUNDIAL!


Ao sair da premiação, de luvas brancas, gravata-borboleta vermelha e smoking de um preto impecável, pus-me a refletir:


Será que o preto impecável que me emprestou esse smoking vai se aborrecer se eu lhe disser que...


O pensamento foi interrompido. Às 3h41, na Oskley Avenue, morre Zé Bokinha, vítima de uma flechada na cabeça.

2 comentários:

Plínio Lopes. 24 de novembro de 2011 13:59  

hahaha como sempre brilhante haiguxo.

Zé Bokinha 25 de novembro de 2011 09:57  

kkkk Obrigado, obrigado!

  © Blogger template 'Perfection' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP